quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

É tempo de dizer basta. Viçosa pede paz.


A justiça e a paz se beijarão. (Salmo 85.10b, NVI)

A violência é produto da forma como vivemos; não é um acidente nem uma entidade. O que presenciamos hoje em Viçosa, e no mundo, é que a injustiça e a violência estão unidas por um beijo — o beijo da morte.

O Salmo 85 fala sobre avivamento: a restauração de um povo que havia se perdido em seus pecados e por isso vivia muito mal. O amor e a fidelidade não estavam mais presentes, tanto em relação à Aliança que tinham com o Senhor, quanto no trato com o próximo. O desenvolvimento da sociedade que despreza os dois maiores mandamentos é o consequente desprezo pela vida. A insensatez toma conta dos indivíduos que se tornam indiferentes ao Criador e recusam a sua ética, imaginando que podem encontrar maior felicidade e satisfação vivendo do seu próprio jeito. Logo, o amor é substituído pelas paixões e a vida não é mais orientada por aquilo que é virtuoso, mas meramente pelos prazeres. Pronto, temos todos os ingredientes para uma sociedade egoísta, permissiva e violenta. Não faltam exemplos disso nas Escrituras: a humanidade no tempo de Noé, Sodoma, Gomorra, as cidades de Canaã, Nínive, Israel, Judá.

Em tempos de muita violência, o clamor pela paz aumenta. Graças a Deus por esse clamor! C. S. Lewis diz que o sofrimento é o megafone de Deus para um mundo ensurdecido. O Salmo é um lamento que pede avivamento.

Precisamos lamentar, sim, mas não parar por aí. Precisamos dizer basta, mas não podemos parar por aí. O evangelho nos ajuda a entender o caminho da paz. Precisamos buscar o Senhor de todo o coração. Precisamos proclamar o evangelho da paz em alto e bom som. E precisamos viver o evangelho. Essa vida envolve o exercício de uma cidadania digna, compatível com o evangelho (Fp 1.27).