segunda-feira, 3 de março de 2008

Retrato 00.30

Atônito ouço sua voz

Trêmula, confunde-me

Tudo é real

Sinto profundamente

Lamento



Não desisto

Mas dilacerado prossigo

Ainda confio

Por que?

Não sei. Amo.



Morte. Perdi muito.

O ano que seria fantástico

A cada mês revela seu drama

Será que vou permanecer prostrado?

Não encontro luz



Cristo parece observar

Será apenas um drama?

A minha vida não permite peça

Arte ela desconhece

Sou mesmo um peregrino



Salvação, minha companheira

Convidei a Fé

Para esta ceia

Nos serviremos de Graça

Pois a misericórdia forra a mesa



"Agora veio a salvação, o poder e o Reino do nosso Deus, e a autoridade do seu Cristo, pois foi lançado fora o acusador dos nossos irmãos, que os acusa diante do nosso Deus, dia e noite. Eles o venceram pelo sangue do Cordeiro e pela palavra do testemunho que deram; diante da morte, não amaram a própria vida. Portanto, celebrem-no, ó céus, e os que neles habitam! Mas, ai da terra e do mar, pois o Diabo desceu até vocês! Ele está cheio de fúria, pois sabe que lhe resta pouco tempo"
Enviar um comentário