segunda-feira, 3 de março de 2008

RETRATO 02.03.2008

O coração acelerado faz companhia as minhas pernas bambas

A vida me surpreende

Percebo que vive alheio a realidade

Sou menino

Não percebo nada


Olho para dentro e sinto falta

Faltam pedaços e os retalhos

Insuficientes são para cobrir minha nudez


Humilhado, choro

Não me canso

Os olhos vermelhos tornaram-se amigos


Vaidade não existe

Orgulho não serve mais

Insegurança e medo vêem me assaltar


A paz dissipa num céu carregado de nuvens

O meu sono desaparece

Sobra a dor


Meu pão é amargo

Sinto a fúria do Diabo

O olhar é baixo


O medo me paralisa

Não penso, sofro calado

O conto acabou

Enviar um comentário