segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

A imitação* de Cristo, um bom propósito para a vida



*A palavra imitação neste texto tem a conotação de viver como Jesus viveu, segui-lo como discípulo ao ponto de reproduzir seus valores e ensinos.

A virada do ano é repleta de promessas e alvos renovados. A mudança é salutar para a psique humana, uma idéia de renovo, de novas possibilidade e mudanças. Esse conceito é muito forte na fé cristã, porém a carga de valor e significado não está na mudança meramente de hábitos, condição social ou perfil estético, vai além, e está intimamente relacionada com mudança de mente, do grego metanoia e normalmente entendido como arrependimento. A renovação também está atrelada a esperança na fé cristã, a esperança da consumação da nossa salvação, da renovação da criação, da instalação definitiva do reino de Deus, um Reino de justiça e paz.

O que podemos sonhar com o novo ano? Qual deve ser o propósito, o planejamento da Igreja?

Meditando em Filipenses 2:5-11
 
Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.
Um pouco de história
o apóstolo Paulo está em prisão domiciliar em Roma. O ano é de 61 AD. Paulo não é mais um novato na fé, já se passaram 25 anos desde a sua conversão, 3 viagens missionárias dentro do Império Romano foram realizadas e muitas igrejas plantadas e cartas escritas. Paulo tornou-se um apóstolo para os gentios, sem deixar de pregar e insistir com os Judeus na compreensão destes de que Jesus é o Messias, o Cristo profetizado e esperado. Agora Paulo está preso aguardando sua audiência com César, preso pela acusação de judeus de que ele havia blasfemado contra a religião judaica e causado tumulto nas cidades por onde passava anunciando outro Senhor, não César.

Paulo escreve aos crentes de Filipos, uma igreja plantada por ele mesmo há aproximadamente uma década na sua segunda viagem missionária (At 16:12-40). Lídia foi a primeira filipense convertida. Após a sua conversão, Lídia abriu a sua casa para os missionários Paulo e Silas. Nesta cidade, ambos missionários foram presos e chicoteados por expulsarem o demônio de uma escrava que dava lucro aos seus donos com adivinhações. Na prisão, o carcereiro toma conhecimento do evangelho e a seguir toda a sua família se torna cristã e é batizada, tendo contribuído para isso um terremoto e a honestidade dos missionários.

A carta
A carta de Paulo é bastante pessoal e revela um pouco de como Paulo lidava com a situação de estar preso por pregar o Evangelho de Jesus Cristo. E o texto base é fundamental para entendermos o que Paulo quer dizer com a expressão: “que haja em vós o mesmo sentimento que houve em Jesus”.

Para isso, vamos fazer um exercício de averiguação dos textos bíblicos que envolvem essa cena e também um exercício imaginativo. 

Convido os leitores para começarmos pela amizade entre Paulo e Lucas. Lucas, o médico , historiador, autor de um dos Evangelhos de Jesus e do livro de Atos dos apóstolos, cristão e missionário, foi citado por Paulo em 3 cartas: Colossenses (4:14), Filemom (1:24) e II Tomóteo (4:11), e em ambas Paulo estava preso quando as escreveu. Lucas é citado como alguém querido, presente neste momento difícil e cooperador no ministério.

Colossenses (4:14)
Uma pessoa querida para Paulo
Filemom (1:24) 
Uma pessoa presente no momento difícil (prisão)
II Tomóteo (4:11)
Um cooperador no ministério

 A história da igreja em Filipos foi relata por Lucas, no capítulo 16 do livro de Atos, e o interessante é que a história da ida para Filipos e boa parte dos eventos foram narrados em primeira pessoa, ou seja, Lucas, o autor estava presente. E o mais interessante é que quando Paulo e Silas deixaram a cidade, dá a impressão de que Lucas continuou acompanhando a Igreja que nascera, pois a narrativa continuou em terceira pessoa.

Atos 16:10
Assim que (Paulo) teve a visão, imediatamente, procuramos partir para aquele destino (Macedônia), concluindo que Deus nos havia chamado para lhes anunciar o evangelho.
Atos 16:12
Nesta cidade (Filipo), permanecemos alguns dias.
Atos 16:40
Dirigiram-se para a casa de Lídia e, vendo os irmãos, os confortaram. Então, partiram.

Por que eu estou falando de Lucas?  
Porque Lucas narrou a vida, obra, crucificação, ressurreição e ascensão de Jesus, ou seja, todo o evangelho. Lucas apresentou Jesus como Salvador e Senhor por meio do evangelho, não deixando dúvidas de que Jesus era o Messias prometido, e que não há salvação por meio de outro senão por Jesus. O evangelista também escreveu como os discípulos se comportaram diante a ascensão de Jesus e a missão recebida de fazer discípulos de todas as nações, surgindo assim a Igreja, o corpo de Cristo.

O intrigante é que na crucificação de Jesus, duas das três falas de Cristo durante o sofrimento na cruz foi repetida por Estevão, o primeiro mártir cristão. Vejamos:


Jesus
Estevão
Tipo de morte
Crucificação
Apedrejamento
1ª Fala
Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. Lc 23:34
Eis que vejo os céus abertos e o Filho do Homem, em pé à destra de Deus. Atos 7:56
2ª Fala
Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso. Lc 23:43
Senhor Jesus, recebe o meu espírito! At 7:59
3ª Fala
Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito! E, dito isto, expirou. Lc 23:45
Senhor, não lhes imputes este pecado! Com estas palavras, adormeceu. At 7:59

É impressionante como Estevão foi fiel testemunhando Jesus Cristo até sob o risco de pena capital, não considerando a sua vida em nada mais preciosa do que testemunhar a Jesus como Salvador e Senhor. Mais impressionante é como Ele lembrou e imitou a Cristo na sua morte. Os dois sofreram mortes violentas e injustas, pois foram acusados com testemunhas falsas. Duas falas são idênticas, apenas com a ordem invertida. Estevão tem uma visão de Jesus ao lado direito do trono de Deus, uma referência a glória e o poder de Jesus ressuscitado, agora em pé para receber aquele que não se envergonhou dEle. Com certeza essa segurança fortaleceu a fé de Estevão que então entrega seu espírito a Jesus, o mediador perante o Pai, àquele que justifica, e em seguida roga perdão aos seus agressores. O discípulo vai cada vez mais se conformando a Jesus, até que consegue reproduzir a compaixão de Jesus na sua morte.

Um detalhe importante é que um desses a quem Estevão roga perdão é o próprio Paulo, cujo nome aparece à primeira vez registrada como Saulo (variação hebraica – Saulo e grega – Paulo), aquele que consentiu e aprovou a morte de Estevão, provavelmente um dos instigadores do julgamento de Estevão e da perseguição aos cristãos (At 8:3 e 9:1-2). Lucas registra que Paulo assolava a Igreja, ou seja, a perseguição não era apenas ideológica, mas violenta, uma demonstração do seu ódio ao cristianismo e esforço para erradicar a fé cristã.

Porém a oração de Estevão foi ouvida e prontamente atendida, pouco tempo depois, Paulo com cartas dos líderes religiosos judeus para apresentar nas sinagogas e prender os cristãos, sai a “caça” desses, o termo usado por Lucas é que Paulo “respirava ameaças de mortes contra os discípulos do Senhor”. Porém na estrada a Damasco, no meio de sua missão, Paulo é surpreendido com uma revelação do próprio Jesus. “Saulo, Saulo, por que me persegues?” Ou seja, a perseguição de Paulo contra os cristãos era contra o próprio Senhor Jesus (Atos 9). A cegueira de Paulo que durou 3 dias é uma metáfora para a sua cegueira espiritual, e mostra o drama de sua conversão.

O que eu quero dizer com toda essa digressão? 
Que ao escrever aos crentes de Filipos, Paulo tinha em mente a imagem de Estevão, e é muito provável que os cristãos dessa igreja conhecessem bem a história do primeiro mártir e da conversão de Paulo. Ou seja, para Paulo, para os Filipos, a proposta para a vida cristã não era algo impossível de se alcançar ou distante da nossa realidade. Pois, o mesmo sentimento que havia em Cristo habitou também em Estevão, agora habitava em Paulo e deveria habitar em cada cristão.

Como podemos imitar Cristo nos dias de hoje, no nosso país e cidade, um lugar que não nos oferece risco de vida e agressão física?

O missionário brasileiro Ronaldo Lidório, ao traduzir o Novo Testamento do original grego para a língua Limonkpeln (um dos dialetos do povo Konkomba, em Gana, África), percebeu que há dois termos largamente usados no Novo Testamento, que muitas vezes estão juntos e que retratam o caráter cristão: proclamação e testemunho. O termo grego para ‘proclamação’ é ‘Kerygma’: a forma estratégica e inteligível de comunicar a mensagem do evangelho. É a Igreja se preparando, estudando e analisando as possibilidades de comunicar o evangelho a um grupo, seja uma pessoa, família ou povo. Isto é Kerygma.

Já ‘Martíria’ é o termo grego para ‘testemunho’ e sempre está ligado ao Kerygma. Entretanto ‘Martiria’ não é uma proclamação inteligível e estratégica como encontro de casais, acampamentos evangelisticos, evangelismo explosivo ou células familiares. Martiria é testemunho de vida, a personalidade transformada pelo Senhor. É domínio próprio em casa, ser justo com os empregados, ser brando no falar. É ser a imagem de Jesus.
 “A Igreja foi chamada para ser primeiramente Martírica – viver com fidelidade tudo aquilo que crê - e só então assumir uma postura Kerygmática.” Ronaldo Lidório

Agora é conosco
Leitor, voltemos a olhar o texto base. Parece que agora, olhando para ele com o background dos crentes de Filipos e de Paulo, podemos perceber que “ter o mesmo sentimento de Cristo” não significa um mero sentimentalismo, uma experiência espiritual (religiosa) desconectada da vida. Pelo contrário, o apóstolo está falando sobre a mudança da disposição mental que o cristão deve ter frente à obra de Jesus, e como isso deve afetar a sua vida. Nós vimos isso em Estevão, em Paulo, e cabe a nós entender como a nossa vida deve se moldar a Jesus, aos seus ensinos e valores, em contraste com o mundo.

Algumas aplicações
  1. Não somos chamados para imitar Jesus no sacrifício vicário, nem com penitências. Já está consumado!
  2. Nossa convocação é para nos tornarmos semelhantes a Jesus, absorver seus ensinos e valores, andar por onde Jesus andou. Um chamado à santidade!
  3. É possível que na caminhada cristã os nossos interesses e sonhos se choquem com a nossa vocação, e quando isso ocorrer, seremos então chamados para nos esvaziar de nós mesmos, abrir mão em prol de uma vocação mais excelente. “Humilhou-se a si mesmo, tornando obediente até... (no caso de Jesus – morte)”.
  4. Por fim, somos chamados para olhar não somente para o Jesus que se esvaziou e se humilhou, mas para o Jesus que ressuscitou e foi glorificado, honrado com o nome sobre todo nome. Esse Jesus que venceu é a garantia que nos também participaremos da sua vitória. Somos chamados por Jesus para ter bom ânimo!
Enviar um comentário