quarta-feira, 24 de abril de 2013

É preciso aprender a perder



Desde aquele momento Jesus começou a explicar aos seus discípulos que era necessário que ele fosse para Jerusalém e sofresse muitas coisas nas mãos dos líderes religiosos, dos chefes dos sacerdotes e dos mestres da lei, e fosse morto e ressuscitasse no terceiro dia.Então Pedro, chamando-o à parte, começou a repreendê-lo, dizendo: "Nunca, Senhor! Isso nunca te acontecerá! "Jesus virou-se e disse a Pedro: "Para trás de mim, Satanás! Você é uma pedra de tropeço para mim, e não pensa nas coisas de Deus, mas nas dos homens".
Então Jesus disse aos seus discípulos: "Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me.Pois quem quiser salvar a sua vida, a perderá, mas quem perder a vida por minha causa, a encontrará.Pois, que adiantará ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou, o que o homem poderá dar em troca de sua alma?
Pois o Filho do homem virá na glória de seu Pai, com os seus anjos, e então recompensará a cada um de acordo com o que tenha feito. 
Mateus 16:21-27


Num mundo que estimula a ganância e a insatisfação; numa sociedade individualista que procura e defende seus direitos em detrimento do coletivo, que não respeita os limites da comunidade; o produto só pode ser um homem que procura vantagens e privilégios a qualquer custo, que busca o melhor negócio possível com toda a sua alma e idolatra o lucro.

É pra esse homem que está entorpecido nos seus pecados que Jesus faz o convite mais inesperado: segue-me, renuncie tudo o que você tem, deixe sua família, doe sua riqueza aos pobres, abra mão do seu olho que o faz pecar, entregue sua vida, não peque mais, não ame as coisas que estão no mundo... pois doravante eu farei de você pescador de homens, filho de Deus, amigo de Deus, povo de Deus, membro da família de Deus com muitos irmãos.

Realmente as palavras de Jesus não combinam com o espírito do nosso século, com a tendência do mundo, com o curso do pecador. Jesus veio trazer redenção para aquele que está perdido, e isso envolve todo o indivíduo, não apenas uma área da vida, mas tudo o que somos. Jesus resgata a nossa humanidade e dignidade, e isso envolve todo o nosso ser. A redenção de Jesus envolve uma profunda e completa mudança de mente, hábitos, propósitos e maneira de se relacionar com o próximo e a criação. Jesus nos chama por inteiro, e não apenas uma parte da nossa vida.

Se ainda não ficou claro, veja a parábola que Jesus contou sobre o reino de Deus. “O reino de Deus também é como um comerciante de joias que busca as melhores pérolas. Um dia, encontra a pérola perfeita e imediatamente vende tudo o que possui para comprá-la.” Mateus 13:45-46. O que a parábola de Jesus nos conta é que seguir a Jesus e participar do reino de Deus envolve tudo o que somos, e implica necessariamente numa renúncia da vida outrora ignorante a cerca dos preceitos de Deus.

Queridos irmãos, precisamos aprender a perder, abrir mão, parar de roer o osso. Nós precisamos aprender a ter prejuízo. Em alguns casos, ainda que seja lícito o nosso direito, precisamos aprender a perdoar, entregar a nossa veste, oferecer a outra face, andar mais uma milha, não entrar em litígio com o irmão, não escandalizar o fraco na fé, ceder a vez... e assim por diante.

O mundo não vai mudar se não começar por nós. Os nossos políticos não serão honestos, nossos governantes preocupados com as desigualdades, nossos juízes em promover a justiça, nossos profissionais em prestar um serviço com excelência... porque no final das contas ninguém está preocupado com o outro, mas sim com seus próprios interesses. Nós recebemos a missão de sermos a luz do mundo e o sal da terra, para que os homens vendo a nossa boa obra glorifiquem a Deus. Mas se perdemos o sabor não serviremos para mais nada, apenas para ser jogado no lixo, viver à margem com um testemunho do evangelho marginal e indiferente ao mundo.

O nosso padrão é o próprio Senhor Jesus, que não compadeceu de si próprio, mas deixou sua glória de lado, humilhou-se por nós. E através da sua perda obtivemos vida. Você deseja seguir a Jesus? Pare de compadecer de si mesmo, de se auto justificar, abra mão da sua vida, consagre-se ao Senhor por completo e caminhe em obediência à vocação que dEle recebemos (fazer discípulos), ainda que isso nos seja custoso e envolva perdas.

Lembre que Deus não fica nos devendo nada, que no mundo teremos aflições, mas que a mesma vitória que Jesus obteve nós teremos também, que não precisamos andar ansioso por nada, pois Ele é o provedor daqueles que buscam o seu Reino em primeiro lugar, que a promessa de Jesus a seus seguidores é vida com qualidade e mais rica que qualquer outra, e que por fim receberemos a vida eterna.

Em algumas situações as renúncias que serão exigidas de nós estarão relacionadas com a coerência da nossa vida, com a nossa integridade em obedecer ao Senhor, como nos embates diários que enfrentamos: obras da carne x obras do Espírito; andar na Luz x andar nas trevas; amar a Deus x amar o mundo. Por outro lado, noutras situações as perdas estarão relacionadas ao mal presente no mundo por causa do pecado e que nos afetará com a permissão de Deus: como perda de saúde/morte; bens materiais; emprego; amigos/familiares). As perdas são inevitáveis, a gente não consegue reter nem o nosso próprio fôlego de vida, quanto mais às demais coisas que envolvem a nossa existência.

Precisamos lembrar

1.      Precisamos lembrar que coisas ruins acontecem também às pessoas boas, enquanto nossa salvação não for completada continuaremos sujeitos aos efeitos do pecado. Embora não mais condenados e dominados pelo pecado, ainda sofremos com o seu assédio e presença em toda espécie de relacionamento. Entretanto, precisamos lembrar que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, a fim de sermos parecidos com Jesus Cristo (Rm 8:28-29). E isto não é fatalismo, mas confiança no Deus amoroso e misericordioso que reina sobre toda a Terra.

2.      Precisamos lembrar que a noção comunitária não deve estar sujeita aos prazeres e caprichos do indivíduo, mas que fomos convocados para compartilhar as boas novas do evangelho, a fazer discípulos, a socorrer o necessitado, a praticar a hospitalidade e o acolhimento, a combater toda forma de injustiça e perversidade que subjulga e desumaniza o próximo... Enfim, todos receberam a convocação de amar o próximo e isso envolve serviço e dedicação.

3.      Precisamos lembrar que nos encontramos numa situação de peregrinos, e que a nossa esperança está nos novos céus e na nova terra, aonde a traça não corrói o nosso tesouro, a morte está morta, o pecado não está mais presente, onde não existe arame farpado e nem arma de fogo, onde as pessoas não ficam desempregadas e a justiça está presente, onde o amor rege os relacionamentos e todos estão conscientes e submissos ao senhorio de Cristo. Ou seja, vale a pena prosseguir com o olhar firme em Jesus, o autor e consumador da nossa fé!
Enviar um comentário